Artigo: Feliz ano-novo!

Feliz ano-novo!

Por Marcos Gouvêa de Souza*

 

Os elementos estão no tabuleiro. Tudo parece indicar que teremos o melhor Natal dos últimos quatro anos, embalado pela recuperação da economia e do consumo, do baixo nível de inflação, da melhoria da confiança dos empresários e consumidores, da redução das taxas de juros e do aumento da oferta de crédito. Sem esquecer o avanço proporcionado pela modernização das relações de trabalho que entraram em vigor em 11 de novembro. Muitos aspectos conspiram a favor e sinalizam a perspectiva de um 2018 que resgata a expectativa de um feliz ano-novo.

Para completar o clima positivo para quem pensa o melhor para o País, só faltaria a aprovação inicial da Reforma da Previdência.

Aí seria garantia de um salto no humor empresarial que poderia se traduzir em maiores perspectivas de aumento de investimentos e, consequentemente, do emprego e renda. E, como resultado, no aumento do consumo, nas vendas e no resultado do varejo.

O que pode conspirar contra um Natal ainda melhor em 2017, em menor escala, seria o fato de que o Black Friday teve resultado bastante positivo no varejo físico e digital e isso pode ter antecipado vendas que ocorreriam no Natal com uma rentabilidade maior.

É pouco representativo, considerando os demais fatores, e o resultado final deve mostrar um crescimento positivo do varejo no total do ano em torno de 1,5% a 2%, importante reversão quando se considera que no acumulado dos dois anos anteriores tivemos uma involução próxima a 10%.

Teremos um 2018 repleto de acontecimentos importantes, destacando-se a Copa do Mundo entre junho e julho e mais as eleições presidenciais entre outubro e novembro, além da perspectiva de alguma eventual evolução nas reformas Previdenciária, Tributária e, ainda que improvável, na Política.

Sem esquecermos os julgamentos em primeira e demais instâncias envolvendo a Lava Jato e seus desdobramentos, que podem redesenhar a realidade político-econômica do País.

O lado mais positivo do quadro macro-econômico, no presente e no futuro próximo, é o crescente distanciamento entre o Brasil Real e o Brasil Político, processo que começou a ser configurado em meados deste ano e que tem como subproduto mais importante a retomada da expansão econômica indiferente, ou pelo menos quase indiferente, aos constantes sobressaltos políticos com os quais temos nos acostumado.

Tudo parece conspirar neste momento para a perspectiva de um 2018 significativamente melhor que os últimos quatro anos, período da maior – dependendo dos décimos no índices de crescimento –, ou dentre as maiores crises econômicas do País.

Talvez seja o momento de sermos magnânimos e considerarmos a devolução da cidadania a Deus, voltando a considerá-lo brasileiro.

Seria um gesto de grandeza e, como pregado por ele próprio, de perdão por ter nos colocado a privação e provação de quatro anos de inferno institucional.

Que ao menos tenha servido para purgarmos nossos pecados e nos comprometermos, daqui para frente, a cuidarmos melhor do País.

Se assim não for, mereceremos outros períodos como os do passado recente.

Marcos Gouvêa de Souza é fundador e diretor-geral do Grupo GS& Gouvêa de Souza, co-fundador e membro do IDV – Instituto para o Desenvolvimento do Varejo, do IFB – Instituto Foodservice Brasil, Presidente do Lide Comércio e membro do Ebeltoft Group, aliança global de consultorias especializadas em varejo, presente em mais de 25 países.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s