Artigo: Bitcoin – O futuro da criptomoeda

artigo1

Bitcoin – O futuro da criptomoeda
                   *por João Antonio Motta

 

Uma moeda nada mais é do que um meio de troca que os homens atribuem valor. Deste Bretton Woods, com o abandono do padrão-ouro e a adoção do curso forçado, o sistema de moedas e o câmbio internacional vivem uma fantasia caótica, pois o que atribui valor à moeda é a quantidade de trocas a ela relacionadas e a confiança no país emissor, sendo o dólar seu principal elemento.

Na Europa, com o surgimento do mercado comum e o euro, um novo papel apreciou-se, tomando com o Iene japonês um novo lugar no tripé cambial internacional. Dólar-Iene-Euro.

O fundamento da moeda é a confiança dos homens nos países emissores. Por isso e só por isso a teoria do curso forçado persiste.

O Bitcoin, ausente de qualquer regulação ou entidade formal emissora, apreciou-se por força da necessidade do crime e lavagem de dinheiro. Apreciando-se atraiu grandes especuladores, o que gerou uma enorme bolha e, via de consequência, o comportamento de manada de investidores, apreciando-se novamente.

A pergunta que vale 1 milhão é: Até quando?

Se o Japão ou qualquer dos “traders” em moedas formais aderirem o sistema pode se tornar, sem dúvidas, a moeda mundial.

Mas você acha, sinceramente, que a China, fortemente tomada junto ao mercado da dívida pública norte-americana e querendo colocar sua moeda como player vai deixar isso acontecer?

Só vejo chance em cripto moedas se realizar como padrão global, se a China comprar a idéia. Caso contrário, entendo que continuará sendo um mercado marginal altamente especulativo, com possibilidades de ganhos estratosféricos e, na mesma medida, perdas abissais.

Outro ponto, os governos não vão tolerar muito tempo este fluxo “clandestino” de capital. Não necessariamente para combater o crime, mas substancialmente para assenhorarem-se de partes dos lucros com impostos, taxas, tarifas e qualquer forma de colocarem a mão no que não é seu.

Portanto, entendo que o sistema de curso forçado vigente no sistema cambial mundial é a mesma ficção do Bitcoin, sublinhando que o sistema de blockchain da moeda virtual seria até mesmo um passo adiante. Contudo, é muita ingenuidade pensar que os “players”, os Estados soberanos, vão abdicar de suas moedas.

O ponto fora da curva é a moeda chinesa, que aquele Estado gostaria de ver apreciada. Se a China fizer algum movimento em direção à qualquer criptomoeda aí a coisa fica séria rumo a uma moeda global.

*João Antônio César da Motta é advogado especialista em Direito Bancário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s